JORNAL MILENIO VIP

Histórias de Magé

Irineu Galdino da Costa

Filho de Benvinda e José Galdino da Costa nasceu no dia 02 de maio de 1909, em Limoeiro, Estado de Pernambuco, quando toda a família e vizinhos próximos, como era hábito do lugar, rezavam o terço e a ladainha, homenageando Nossa Senhora, no mês que lhe é dedicado – o mês de maio.

Neste dia, a cerimônia foi suspensa, devido ao nascimento do 8º filho do casal, que recebeu o nome de IRINEU, dos 10 que o casal teve: Josefa, Lia, Antonio, Cassemiro, João, Cecília, Belmina, irineu, José e Narciso. Ao completar 5 anos de idade, seus pais mudaram-se para o Estado da Paraíba, onde ele passou sua infância e grande parte de sua mocidade. Depois, mudaram-se para o Rio Grande do Norte – Natal, onde estudou na Escola de Comércio que, hoje, corresponde ao antigo ginasial e, ao mesmo tempo, ajudando seu pai, que era comerciante por contingência e fazendeiro por vocação.

Em 1930, nos dias 07 e 20 de junho, respectivamente, o Sr. José e D. Benvinda faleceram vitimados pelo impaludismo, moléstia que, na época, seu tratamento não era conhecido. Foi, então, que o Sr. Irineu veio para o Rio de Janeiro, para trabalhar. Daí, resolveu ir para o seminário de Belo Horizonte, julgando um dia se tornar padre, onde permaneceu nos anos de 1934, 1935 e parte do ano de 1936. Notando que essa não era a sua vocação, deixou o seminário e veio residir em Magé, no ano de 1936, em casa de seu irmão, o Padre José Galdino da Costa, então vigário da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Piedade de Magé.

Neste ano foi nomeado tesoureiro da Prefeitura Municipal de Magé, onde dedicou grande parte de sua vida. No dia imediato a sua aposentadoria, foi contratado para o mesmo cargo, que sempre exerceu com eficiência dedicação e honestidade. Foi o mais antigo tesoureiro do Estado do Rio de janeiro. Agraciado com o titulo de cidadão honorário na gestão do Prefeito Waldemar de Lima Teixeira, pela Lei nº 62/61 de 23/11/1961
Casou-se em 1942, com Maria Teixeira dos Santos Costa, professora estadual e desta união teve três filhas, Maria de Lourdes e Nadyr Bernardette (gêmeas) e Maria (falecida).

Foi prefeito de Magé e 1º gerente da Caixa Econômica Federal, com sede em Magé. Na gestão do falecido Prefeito Olívio de Mattos, foi condecorado na Câmara Municipal de Magé, com a “Medalha de Ouro”, pelos relevantes serviços prestados ao Município, no dia 02/10/1979.

Depois de aposentado, dedicou todos os seu momentos às causas da Igreja Católica, em especial à Conferencia Vicentina Nossa Senhora da Piedade, que assiste à população carente.

Faleceu no dia 05 de julho de 1965, após um longo período de doença coronariana, sendo um exemplo de conformidade com o sofrimento físico, dando apoio espiritual a todos que o cercavam. “ Podemos fruir em paz o momento que passa quando sabemos que a vida não tem fim”.