JORNAL MILENIO VIP

Histórias de Magé

Formação administrativa de Magé

A ocupação do território onde hoje está localizado o município de Magé iniciou-se por volta de 1565, através da concessão de sesmarias. Em 18 de janeiro de 1696, foi criada por alvará a freguesia de Magé, pertencente à Vila de Santo Antônio de Sá (atual Itaboraí), sendo elevada à categoria de vila por força do ato de 9 de junho de 1789.0 A Vila de Magé era composta pelas freguesias de Magepe (ou da Vila), de Iguepe (Guapimirim), Suruhy (Suruí), da Guia (Guia de Pacobaíba) e Inhammerym (Inhomirim).

Entretanto, em 29 de maio de 1847, por força do Decreto Provincial nº 387, é criada a Vila de Estrela, composta pelas freguesias de Inhomirim (ou da Vila), da Guia de Pacobaíba, de Petrópolis e do Pillar (atual Duque de Caxias).

Perdendo as freguesias de Inhomirim e Guia de Pacobaíba para Estrela, a Vila de Magé passou a contar com as seguintes freguesias: de Piedade (ou da Vila), Guapimirim, Surui e Aparecida (atual Sapucaia), sendo posteriormente incluída a freguesia de Paquequer (atual Teresópolis). Em 2 de outubro de 1857, através do Decreto Provincial nº 965, a Vila de Magé foi elevada à categoria de cidade.

Após a criação dos municípios de Petrópolis (em 1857), Sapucaia (1874) e Teresópolis (1891) e a extinção do município de Estrela (1892), Magé recuperou suas antigas freguesias: Guia de Pacobaíba e Inhomirim, agora denominadas de distritos. No mesmo ano da extinção de Estrela, é criado o distrito de Santo Aleixo com território desmembrado da freguesia de Piedade.

Portanto, desde 1892, o município de Magé divide-se em seis distritos: Magé (1º distrito), Santo Aleixo (2º distrito), Guapimirim (3º distrito), Suruí (4º distrito), Guia de Pacobaíba (5º distrito) e Inhomirim (6º distrito). Porém, com a criação do município de Guapimirim, em 1992, Magé passou a ter, na prática, cinco distritos, mas de acordo com a sua divisão administrativa ainda possuía seis, pois considerava o 3o Distrito vago.

Em 2002, é criado o Distrito Agrícola, com sede no bairro do Rio D’Ouro, a partir de territórios desanexados dos distritos de Santo Aleixo, Suruí e Inhomirim, ocupando finalmente a vaga do antigo distrito de Guapimirim.

OBS.: Na verdade, a Lei nº 1532/2002 que criou o 3º Distrito do Município, denominado Distrito Agrícola Rio D’Ouro, mesclou divisão político-administrativa municipal com área de proteção econômica, reunindo comunidades agro-pecuárias de Magé num território único, elevado à categoria de 3º Distrito Municipal.

SÍMBOLOS MUNICIPAIS

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE MAGÉ (LEI Nº001/1990)
Art.6º - São símbolos do Município de Magé o Brasão, a Bandeira e o Hino, representativos de sua cultura e história.

APROVADOS PELA LEI DE 9 DE JUNHO DE 1959 E ALTERADOS ATRAVÉS DA DELIBERAÇÃO Nº 380 DE 1973.
BRASÃO:


Descrição Heráldica: escudo português, em campo de ouro, dominando a silhueta do Dedo de Deus, em verde. Um chefe verde carregado, respectivamente, , por ordem da direita para a esquerda, em faixa, de uma coroa de duque, de ouro, uma pena de pato, de prata, um turbante de penas, de ouro. Um listel azul, ostentando de prata os seguintes dizeres, em negro: 1565 – Magé – 1857. Tudo encimado pela coroa mural de cinco torres de prata, tendo em quatro delas uma elipse azul, e a torre central carregada de uma flor-de-lis, de ouro.

Elucidário: o escudo português lembra a origem lusitana de nossa Pátria; o Dedo de Deus evidencia o pétreo monumento da natureza, antigamente localizado no território mageense, considerado símbolo nacional do turismo. A coroa de duque representa o glorioso Luis Alves de Lima e Silva (o Duque de Caxias), nascido na então Vila de Estrela; a pena de pato, o abolicionista Alcindo Guanabara, príncipe dos Jornalistas Brasileiros, nascido em Guapimirim (na época município de Magé); o turbante de penas simboliza os índios, donos da terra. A flor-de-lis tem Nossa Senhora da Piedade, a sua padroeira. As datas: 1565 e 1857, respectivamente, representam a fundação da localidade em 7 de setembro de 1565, e a elevação à categoria de Cidade pelo decreto de 2 de outubro de 1857.

O Brasão tem os seguintes Metais e Esmaltes: OURO – Força, PRATA – Candura, VERMELHO – Intrepidez, AZUL – Lealdade e VERDE – Abundância.

BANDEIRA
: possui três faixas verticais nas cores vermelho, azul e verde, respectivamente, da esquerda ara a direita, e ao centro o brasão.

HINO: Letra de Laércio Lindey Agra e Renato Peixoto dos Santos; música de Eraldo de Miranda Telles e Renato Peixoto dos Santos.

I
Mageenses escutai
A voz que sai do coração
Ao nosso canto atentai
Que eleva nosso torrão!

II
Nossa terra é querida
Tem heróis e tradições
É ela que dá guarida
Amor e glória aos corações

III
Magé, linda Magé
Terra de Tradição
Magé, linda Magé (estribilho)
Terra do coração!

IV
A serra se eleva e mostra o Dedo de Deus!
O mar reflete o lindo céu de anil
Teus filhos abençoados pelo Senhor
Tecem os mais lindos cantos de amor
A Magé... e ao Brasil!

Salve Magé!

Fonte: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Mapa do Município de Magé. Disponível em:
. Acesso em: 31 agosto 2003.