JORNAL MILENIO VIP

Histórias de Magé

Fábrica Itatiaia de Tecidos.

Essa fábrica reiniciou suas atividades em Magé em 1956, quando um grupo de capitalistas do Rio de Janeiro, estabelecido com uma fábrica do mesmo nome, resolveu compra-la ao banco do Brasil, uma vez que era massa falida da companhia industrial Santo Amaro.

O seu diretor-presidente o conhecido industrial Antonio Arnaldo Gomes Taveira e seu gerente Dr. Henrique Mariani, vem coloca-la em funcionamento parcial, após um árduo trabalho de recuperação de suas máquinas, que haviam sofrido a ação destruidora do tempo, resultado da inatividade que lhes fora imposta. Máquinas modernas vieram enriquecer o parque técnico da fábrica, agora em plena fase de expansão.

Seus primórdios datam de 1894, quando o inglês Herbert Taylor fundou-a em Magé com o nome de companhia de fiação de tecidos Mageense, incorporando mais tarde a fábrica existente em Andorinhas, e vindo a falir em 1933. Após a falência foi comprada por um grupo de industriais que por sua vez fundou a “Companhia Industrial de Santo Amaro” que veio a falir em 1949.

O ressurgimento da fábrica em Magé sob os auspícios da “Itatiaia de Tecidos S/A” veio incrementar de forma decisiva o progresso da cidade, amparando o braço operário que permanecia inativo por absoluta falta de trabalho. A nova Cia passou desde logo a apoiar todas as iniciativas que visavam o progresso da cidade promovendo imediata e completa recuperação das casas de moradia dos operários e colaborando materialmente na urbanização das terras onde se encontra localizada. Extraído do Livro – Magé A Terra do Dedo de Deus, de Renato Peixoto dos Santos